BLOG PARA DIVULGAÇÃO DA LITERATURA RUSSA AOS FALANTES DE LÍNGUA PORTUGUESA.

Post Page Advertisement [Top]




Hoje começamos uma nova série, com o objetivo de apresentar escritoras russas para além de Marina Tsvetaeva, Anna Akhmatova, e das mais modernas Tatiana Tolstaia e Liudmila Petruchévskaia.

E nossa jornada começa lá no Século XVIII, com ANNA PETROVNA BUNINA (1774 - 1829), poetisa e tradutora de renome em sua época, considerada "a primeira poetisa russa" e apelidada pelos contemporâneos de Safo Russa, Décima Musa, Corina do Norte.

Descendem da mesma linhagem que ela o poeta e tradutor Vassíli Jukóvski (1783 - 1852), o escritor Ivan Bunin (1870 - 1953) e o respectivo irmão, o literato Iuli Bunin (1857 - 1921), além da poetisa Anna Akhmatova (1889 - 1966).

Anna perdeu a mãe cedo e foi criada pela tia, em cuja casa recebeu instrução básica: aprendeu a ler, escrever, e as quatro operações aritméticas — o que, na época, já era considerado mais que o suficiente para uma moça.

Apesar disso, ela começou a escreveu poesia aos treze anos. Na revista "Ippokrena", em 1799, foi publicada sua primeira obra, o fragmento em prosa "Amor".

Em 1802, após a morte de seu pai, Anna, então com 28 anos, foi visitar o irmão em São Petersburgo, e resolveu se estabelecer na capital, com os recursos deixados pelo pai. Instalou-se em um apartamento na Ilha de Vassiliev e dedicou-se à própria educação: pôs-se a estudar física, matemática, francês, alemão e inglês, e, principalmente, literatura russa.

O custo de vida em São Petersburgo consumiu a herança de Bunina em menos de dois anos, e ela começou a contrair dívidas. Então seu irmão, um oficial da marinha, começou a apresentá-la aos literatos da capital, a quem Anna mostrou suas obras. Em 1806, começaram a sair na imprensa seus primeiros poemas, e em 1809 foi publicada sua primeira antologia poética, "Musa inexperiente", que granjeou uma ótima recepção do público e levou a imperatriz Elizavieta Alekseieva a conceder uma pensão anual de quatrocentos rublos à autora.

Novas obras saíram ao longo da década seguinte, tanto traduções do francês (as "Regras da poesia", de Charles Batteux, a "Arte poética", de Nicolas Boileau, entre outros), quanto poemas e prosa: "Poemas safísticos", "Imitação da poetisa de Lesbos", "Noites rurais", "Canção a Aleksandr, o Grande, vitorioso sobre Napoleão e restaurador de reinos".

Em 1815 ela descobriu que tinha câncer, e foi se tratar na Inglaterra, permanecendo lá até 1817, onde entrou em contato, por carta, com Walter Scott. Quando voltou à Rússia, concederam-lhe uma pensão vitalícia, e ela passou os últimos anos da sua vida entre Moscou e o campo, com a doença se agravando e pondo fim ao seu trabalho literário. Faleceu em 1829 e foi enterrada em sua

Nos últimos meses de vida, até ficar deitada era-lhe desconfortável, e ela passava a maior parte do tempo de joelhos. Diz-se que lia muito a Bíblia em suas últimas semanas. Um de seus últimos poemas, "Para os entes queridos" (К ближным), fala sobre esse período sofrido.

Eis um fragmento dele:

Amar-me ou não, sentir ou não piedade
Agora, queridos!, como quiserdes, façais
Mal o espírito sai do corpo, em liberdade
De amor e pena nós não precisamos mais.

Любить меня и нет, жалеть и не жалеть
Теперь, о ближние! вы можете по воле.
Едва из тела дух успеет излететь.
Нам жалость и любовь не нужны боле.


Ela se inspirava nos poetas gregos e romanos (Safo, Ovídio, etc.), escrevendo meditações filosóficas e hinos de louvor aos heróis mortos em campos de batalhas (como o poema em homenagem ao Capitão Rostislav Ivanovitch Zakharov, publicado mais cedo aqui na página). Esse estilo, em voga na época, agradou Derjavin, Dmitriev, Krylov e outros escritores famosos de então, que nomearam Anna Bunina membra honorária de seu grupo literário "Conferência dos amantes da palavra russa" (Беседа любителей русского слова). Já os membros da geração literária seguinte — como Pushkin — ironizavam a retórica pomposa de Bunina.

Ela também escrevia, porém, poemas líricos pessoais, íntimos e carregados de sentimento, que carregaram seu nome através dos séculos. O poeta e escritor Evgueni Evtushenko (1932 – 2017) dedicou-lhe o poema “Anna Primeira” (Анна Первая), em que ressalta seu pioneirismo no front feminino da literatura russa – em que pese Anna não tenha sido, de fato, a primeira escritora russa, mas a primeira a fazer sucesso.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Bottom Ad [Post Page]